sexta-feira, 12 de maio de 2017

Banco é condenado a indenizar vítima de doença ocupacional por sobrecarga de trabalho

 A 2ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 21ª Região (TRT-RN) condenou o Banco Santander a pagar indenização por danos morais, no valor de R$ 5 mil, a ex-empregada vítima de doença ocupacional por sobrecarga excessiva de trabalho.

A decisão reformou parcialmente o julgamento da 4ª Vara do Trabalho de Natal (RN), que, originalmente, havia condenado o banco em R$ 50 mil.

Para o desembarcador Carlos Newton Pinto, relator do recurso ordinário, os fundamentos da decisão da primeira instância são irretocáveis no que tange a existência do dever de indenizar, vez que a empresa sujeitava a sua empregada a circunstâncias penosas persistentes, "as quais funcionaram como fator causal primário de seu adoecimento".

Ele destacou que o laudo médico juntado ao processo deixa claro que a autora da ação "foi submetida à excessiva sobrecarga de trabalho, na medida em que quanto mais produzia, mais lhe eram impostas novas metas".

Apesar disso, o valor da indenização foi reduzido para R$ 5 mil, contrariando a intenção do banco, que pedia a reforma completa da sentença da Vara do Trabalho, para que fosse afastada a condenação por danos morais.

Carlos Newton justificou a redução do valor da indenização por entender que a reparação não deve ser de tamanho que importe em enriquecimento sem causa da vítima, mas deve ser suficiente para atenuar o dano sofrido. Além disso, espera-se que esse tipo de condenação "surta efeitos pedagógicos capazes de reprimir a prática do ato ofensivo".

Seu voto foi acolhido por unanimidade pelos demais desembargadores da 2ª Turma.

Processo nº 0001125-59.2015.5.21.0004

Fonte: Ascom - TRT/21ª Região 

Sem comentários: