sexta-feira, 31 de março de 2017

Cidades têm protestos contra reforma da Previdência e terceirização

Algumas cidades do país registram ou já registraram protestos contra a reforma da Previdência, proposta pelo governo de Michel Temer. Grupos convocados por centrais sindicais e movimentos sociais também se manifestam contra o projeto de terceirização, aprovado na Câmara na última semana.
No início da manhã desta sexta-feira (31), vias foram fechadas em São Paulo, Salvador, Vitória e Recife, entre outras cidades.
Veja a situação em cada estado:
Acre
Sindicalistas de diversas categorias fazem uma manifestação em frente do Palácio Rio Branco, no Centro da capital. O grupo deve caminhar até o Terminal Urbano. De acordo com a presidente da Central Única de Trabalhadores (CUT), Rosana Nascimento, ao menos 500 pessoas participam do ato. A Polícia Militar não fez uma estimativa.

Alagoas
Integrante de movimentos sociais e sindicatos protestam na Praça Deodoro, no Centro de Maceió. O ato começou por volta de 10h. Nem organização do movimento nem a Polícia Militar informaram a quantidade de manifestantes. Rodoviários paralisaram as atividades, e ônibus deixaram de circular nesta manhã. O sindicato da categoria fala em 3 mil pessoas afetadas.
Bahia
Um grupo de pessoas fechou a Avenida ACM, sentido Avenida Paralela, em Salvador, entre as 7h40 e 9h. Segundo a Superintendência de Trânsito de Salvador (Transalvador), o trânsito ficou parado no local. O número de manifestantes não foi informado pela polícia ou pelos organizadores. Mais tarde, houve uma caminhada de protesto entre o Campo da Pólvora e o Barbalho.

Espírito Santo
Um grupo de trabalhadores de diversas categorias protestou nesta manhã em frente à sede da Petrobras, em Vitória. A manifestação começou por volta das 7h10. Por volta das 9h15, o grupo saiu em caminhada pela Reta da Penha, no sentido Centro, bloqueando duas faixas da avenida. Segundo a Guarda Municipal de Vitória, aproximadamente 50 pessoas participam do ato. A organização do protesto ainda não informou o número de participantes.

Goiás
Entidades sindicais e diversas categorias de trabalhadores protestam diante da Assembleia Legislativa de Goiás (Alego), em Goiânia. O ato começou por volta das 9h. De acordo com organizadores, cerca de cinco mil pessoas participam. Já a Polícia Militar estimou, por volta das 9h40, que eram cerca de 400 manifestantes.
Mais tarde, os manifestantes pretendem sair em caminhada até o coreto da Praça Cívica, no Centro, onde devem se encontrar com integrantes de outras entidades sindicais.

Mato Grosso do Sul
Trabalhadores bloquearam rodovias federais e fizeram um protesto em Campo Grande, onde cerca de 450 pessoas se reuniram diante de um canteiro de obras, no bairro Vivendas do Bosque, segundo organizadores. A polícia não acompanhou o ato, que começou por volta das 6h30 (de MS) e foi até as 8h30.
Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), às 7h47 (de MS), havia pontos de bloqueio nas BR-060 em Sidrolândia, BR-262 em Três Lagoas, BR-262 em Corumbá e BR-163 em Sonora. A Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul (Fetems) informou que também ocorrem bloqueios de rodovias em Mundo Novo, Aparecida do Taboado, Bataguassu e Jardim. Números de manifestantes em rodovias não foram informados pela polícia ou pelos organizadores.
Tambpem houve protesto em Dourados. Professores e funcionários de universidades saíram em passeata. De acordo com os organizadores, cerca de 3 mil pessoas estão no local. A polícia não segue o ato.

Minas Gerais
Em Belo Horizonte, um protesto começou por volta das 10h30 na Praça da Estação. Cerca de 200 servidores municipais participam do ato, segundo o sindicato. Alguns serviços públicos da capital, como centros de saúde, devem ser parcialmente paralisados.
Integrantes de movimentos sociais interditaram duas rodovias que dão acesso à Uberlândia (MG). Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), cerca de 40 pessoas fecharam o Km 78 da BR-050, saída para Uberaba (MG) e outro grupo, de quantidade não informada, ocupou parte da BR-452, de acesso a Araxá. Os trechos foram liberados menos de uma hora depois.
Professores e trabalhadores rurais de Francisco Sá (MG) fazem uma caminhada pela BR-251, o que interditou parcialmente a via. Segundo os organizadores, cerca de 300 pessoas participam do ato; a polícia não informou o número de manifestantes. O ato começou às 7h e deve terminar às 11h.
Em Montes Claros, professores protestaram na Superintendência Regional de Ensino. Os manifestantes usavam faixas contra a reforma da previdência. Segundo os organizadores, 1,5 mil pessoas participaram dos atos. A PM não acompanhou a movimentação.

Pará
Trabalhadores de várias categorias protestam em Belém, Marabá, Altamira e Santarém. A organização do movimento a Polícia Militar não informaram a quantidade de manifestantes.
Em Belém, os manifestantes se concentraram em vários pontos: em frente ao Tribunal de Justiça do Pará (TJPA), ao Tribunal Regional do Trabalho, à Secretaria de Estado de Administração (Sead), e na Praça Floriano Peixoto, no mercado de São Brás. O grupo concentrado no mercado foi o primeiro a sair em caminhada, às 10h33.
Pernambuco
Integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) interditaram os dois sentidos da BR-101, no trecho próximo ao Centro de Abastecimento e Logística de Pernambuco (Ceasa), na Zona Oeste do Recife. O bloqueio começou por volta das 6h30 e terminou às 8h30. Segundo organizadores, cerca de 300 pessoas participaram do ato. A Polícia Militar não acompanhou o protesto.
Piauí
Em Teresina, trabalhadores em frente ao prédio do Tribunal Regional do Trabalho no Centro da capital. Participaram 500 pessoas, segundo a entidade. A polícia não compareceu ao ato. Servidores do Ministério Público do Trabalho (MPT) anunciaram a paralisação das atividades em prol do movimento.
Santa Catarina
Joinville e Jaraguá do Sul, no Norte do estado, tiveram protestos nesta manhã. Em Joinville, o protesto começou às 9h na Praça da Bandeira. Conforme o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Joinville e Região (Sinsej), às 11h, cerca de duas mil pessoas participavam do movimento e iniciaram uma passeata. No mesmo horário, a Polícia Militar não tinha informações sobre o número de manifestantes.
Em Jaraguá do Sul, servidores municipais, que estão em greve há 25 dias, se reuniram na Praça Ângelo Piazera às 8h e realizam caminhada pelas ruas da cidade. Organizadores e a polícia não informaram o número de participantes.

São Paulo
Na região metropolitana de São Paulo, houve ao menos três protestos. Os números de manifestantes não foram informados. Integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) atearam fogo a pneus e bloquearam trecho da Avenida Oscar Niemeyer, perto do Rodoanel em Mauá, na Grande São Paulo. Segundo a Polícia Militar, às 7h a pista já havia sido liberada. Também houve bloqueio na Estrada do M'Boi Mirim, Zona Sul de São Paulo, e no km 247 da Rodovia Régis Bittencourt, na região de Taboão da Serra.
Dois mil trabalhadores da Volkswagen paralisaram por cerca de uma hora as atividades nesta manhã em Taubaté (SP). A manifestação teve início por volta das 6h e atrasou a entrada na fábrica em uma hora.
No Centro de Campinas (SP), trabalhadores fazem uma manifestação desde as 10h. A organização e a Guarda Municipal não divulgaram números de participantes.
Também foi registrado um ato de bancários em Sorocaba. O grupo concentrou se na rua São Bento e anda por diversas ruas até chegar à praça Central. A organização não divulgou o número de participantes. Alunos de Sorocaba e de cidades da região de Bauru, como Agudos e Paraguaçu Paulista, estão sem aulas devido a paralisação de professores.
Em Votuporanga, um grupo de alunos e professores se reuniu pedindo reajuste salarial para a classe. Cerca de 80% das escolas tiveram as atividades paralisadas. Em Américo de Campos, cerca de 40 pessoas fizeram um protesto na praça central da cidade.
Estudantes e professores também se reuniram em uma manifestação em Itapetininga. Cerca de 200 pessoas participaram do ato, segundo a categoria. A PM informou que o protesto teve 50 pessoas.
G1

Sem comentários: